Empodere-se!

Faça parte da nossa lista de contatos e receba em primeira mão as novidades sobre nossos Cursos e Eventos!

Alimentação Infantil julho 24, 2018

Os 17 principais erros que os cuidadores comentem na alimentação infantil

Os 17 principais erros que os cuidadores comentem na alimentação infantil

1- CONTROLE: Achar que deve controlar o comportamento alimentar das crianças;

2- QUANTIDADE: Querer controlar o volume e os alimentos que a criança ingere, tornando os momentos a mesa um estresse diário e uma experiência negativa para toda a família;

3- ESCOLHAS: Servir frequentemente nas refeições alimentos que considera inadequados – Ex: batata frita, depois querer controlar o quanto a criança “pode comer”;

4- PETISCOS: Permitir que a criança tenha acesso livre a beliscos, sucos, água de coco e achocolatados, fora do horário das refeições, estragando seu apetite para as refeições principais;

5- ROTINA: Não conversar com a criança sobre quando é hora de comer e quando não é hora de comer, e quais tipos de alimentos devemos comer nas refeições e quais são destinados aos lanches;

6- EXPECTATIVA: Fazer o prato longe dos olhos da criança, e do tamanho da sua expectativa a respeito do que e quanto a criança “deve comer”;

7- FORÇAR: Forçar a criança a comer;

8- CONSISTÊNCIA: Não manter consistência em suas ações, agindo cada hora de um jeito, deixando a criança confusa;

9- BARGANHA: Ter como objetivo principal “fazer a criança comer”, usando métodos como – coerção, barganha, ou “escondendo alimentos” no feijão, na sopa, no lugar de focar no desenvolvimento de hábitos para toda a vida;

10- PLANEJAMENTO: Não planejar as refeições, compras e rotina alimentar, querendo dar direção a criança, quando nem mesmo os adultos sabem para onde pretendem ir;

11- PERMISSIVIDADE: Contribuir para a criança se manter em uma alimentação monótona/restrita, deixando que ela assuma a tarefa de definir quais alimentos serão oferecidos em cada refeição;

12- RECONHECER SEU PAPEL: Não conhecer qual é o seu papel e qual é o papel da criança na educação alimentar;

13- A DEFINIÇÃO DO QUE É COMER BEM: Desconsiderar a qualidade do alimento oferecido, quando a criança come o volume que os pais consideram adequado, o famoso “comeu bem”;

14- PASSIVIDADE: Deixar a criança em uma posição passiva na própria alimentação, tornando as melhorias uma “luta”, ao invés de propor ajustes naturais e de rotina;

15- FALTA DE PACIÊNCIA: Querer mudar tudo de uma só vez e esperar resultados da noite para o dia, não respeitando o processo e as etapas de aprendizado da criança;

16- DESISTÊNCIA: Desistir de oferecer um alimento ao primeiro sinal de recusa, normalmente interpretando de forma equivocada algo que é natural e faz parte do aprendizado;

17- NÃO ASSUMIR A SUA DIFICULDADE: Não procurar ajuda quando não sabe como lidar com a alimentação da criança, assumindo a postura de “deixar comer enquanto pode, porque ainda é criança”.

 

 

oi! o que você achou deste conteúdo? deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.